sábado, 3 de dezembro de 2011

mudança, precisa-se!

Irrita-me os dias que tenho insónias, como é o caso. Irrita-me os dias que sou devastada por uma insegurança terrível, onde a única solução é isolar-me de tudo e de todos. Hoje como não tenho a possibilidade de me refugiar, no sítio do costume, decidi vir até aqui. E é a ouvir aquelas músicas melancólicas, que em vez de me animarem ainda me põem a pensar mais no que não devo, que aqui estou numa tentativa de começar a reescrever… mesmo que não seja todos os dias.
Esta insegurança faz-me duvidar de todas as certezas que tinha construído até hoje. É isso que me faz pensar num recomeço. Preciso mesmo de definir novos objectivos e novas certezas, para ver se as coisas começam a correr melhor.

domingo, 10 de abril de 2011


com o calar que se tem feito sentir, é isto que mais me apetece... PRAIAAAA. aqui por Santarém já fez tanto calor que parece que estamos em pleno verão, e se agora já é assim nem  quero imaginar quando realmente for verão!

com isto tudo, também já começou a contagem decrescente para a minha primeira viagem sozinhaaa. Maio, França aí vou eu.
Falando em viagens... Erasmus: Holanda, Alemanha ou França?!

sábado, 12 de março de 2011

terça-feira, 14 de dezembro de 2010


Existem pessoas nas nossas vidas que nos fazem felizes pelo simples facto de cruzarem o nosso caminho. Algumas caminham a nosso lado, vendo muitas luas passarem, outras apenas vemos entre um passo e outro. A todas elas damos o nome de amigos. Há quem diga que existem vários tipos de amigos… será verdade?


Talvez cada folha de uma árvore os caracterize. O primeiro que nasce do broto é o amigo pai e a amiga mãe, aqueles com quem sabemos que podemos sempre contar, pois estes mostram-nos o que é a vida.


Depois vem o nosso amigo irmão, com quem dividimos as nossas pequenas experiências, o nosso espaço esperando assim que floresça como nós. Passo a conhecer assim toda a família de folhas da minha pequena árvore, à qual tentamos respeitar ao máximo e desejamos que sejam felizes.


Mas o destino apresenta-me outros amigos, os quais não sabia que se iriam cruzar no meu caminho. Muitos deles a quem chamo amigos do “peito”, do coração são sinceros, verdadeiros, sabem quando não estou bem com um simples olhar, sabem o que me faz feliz… Assim como há os amigos verdadeiros, também existem aqueles amigos que posso dar o nome de amigos passageiros, ou seja, aqueles amigos por um tempo, talvez de umas férias ou mesmo por um dia. Esses costumam fazer com que o sorriso surja a todos os instantes, durante todo o tempo que estão por perto.


Falando em perto, não podemos esquecer os amigos distantes. Aqueles que ficam nas pontas dos galhos, mas quando o vento sopra, sempre aparecem entre uma folha e outra.


O tempo vai passando, com ele vai o Verão, chega o Outono e assim vou perdendo algumas folhas. Com o Inverno a minha pequena árvore fica “nua”, mas os verdadeiros amigos permanecem lá. Com o passar das estações existem folhas que caem, muitas nascem, e outras vão permanecendo.


Com isto, surgem aqueles que considero amigos mas que no fim de tudo acabam por me desiludir, magoar, no fundo fazem com que a tristeza surja. Mas como esses supostos amigos não nascem na minha árvore, são trazidos pelo vento para me fazer crescer, e por ele também são levados.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

back



É já com alguma saudade que volto a escrever. Depois de muitas coisas que se têm vindo a passar, senti tanta falta disto. Senti falta daqueles que eu sei que são os meus verdadeiros amigos, senti falta daqueles que eu pensava serem meus amigos! Sim até parece estranho! Mas eu ainda sou daquelas pessoas que acredita sempre nos outros!
Quero as férias de Natal e voltar por alguns dias, mesmo que sejam poucos, para aqueles que eu sei que realmente gostam de mim! No meio desta confusão toda, o que me deixa feliz, é que tudo o que aconteceu deixou-nos ainda mais unidos.

Eu amo-te Bruno (L)

sábado, 9 de outubro de 2010



Já à algum tempo que não escrevo. Mas não tenho tido tempo! As aulas já começaram, as festas também! E com isto a preparação para o desfile do caloiro também. Sim porque aqui por terras ribatejanas, a vida de um caloiro não é nada fácil tadinhos! Diga-mos que a vida de um vetarno (que é o meu caso xD) é bem mais facilitada. Só se vêm livres da veterania lá pra meio de Novembro, até lá levam connosco o dia inteiro!

Só um aparte, eu pensava que o pessoal aqui das terrinhas não gostava muito de Santarém dado que raramente vai pra lá alguém estudar, quando não é o meu espanto que este ano foram pra lá uns quantos!